Dica Saudável | Fitoterápicos para saúde do sono



Fitoterápicos para saúde do sono


O sono é fundamental para manter o equilíbrio do sistema imunológico, endócrino, neurológico e de diversas outras funções. Por isso, além de descansar nosso corpo e mente, é tão importante na saúde do organismo como um todo. As vezes na correria do nosso dia a dia, esquecemos que nosso corpo não é uma máquina, e ele precisa repor suas energias pela alimentação e pelo sono. A Fitoterapia vem ser uma aliada para o equilíbrio do nosso sono, auxiliando caso sentirmos dificuldade para adormecer ou tenhamos um sono inquieto. Segundo o Ministério da Saúde, os distúrbios do sono mais comuns são a insônia, a apnéia obstrutiva do sono e a síndrome das pernas inquietas. São comuns também o sono insuficiente e o atraso de fase de sono.


Nessa Dica Saudável, reunimos algumas plantas medicinais que auxiliam na saúde do nosso sono. Traremos indicações baseadas em estudos e pesquisas de fitoterápicos. É importante ressaltar o cuidado de um suplemento, por mais que ele seja natural. A suplementação por conta própria pode gerar efeitos contrários, e por isso é importante verificar sempre com um profissional da área antes de iniciar o tratamento. As plantas medicinais podem auxiliar nesse processo, instigando a mudança de comportamento, acalmando a mente e relaxando o corpo.


Os problemas com sono podem ser multifatoriais, sendo diversas as causas externas que podem afetar nosso sono. O cuidado com a saúde é um convite para observarmos nosso organismo e suas necessidades. A fitoterapia se torna uma opção incrível por contemplar uma diversidade de substâncias químicas em uma planta medicinal, tendo uma ampla possibilidade de abordagens terapêuticas.



Dormir bem é essencial para a saúde

Fitoterapia na saúde do sono


A utilização de plantas com fins medicinais para tratamento, cura e prevenção é uma das práticas mais antigas da história da humanidade. Ao longo dos séculos, produtos de origem vegetal constituíram as bases para o tratamento de diferentes doenças e promoção de bem estar.


Percebemos diversos relatos históricos ao redor do mundo da pratica de uso de plantas medicinais que acompanha o desenvolvimento do ser humano. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), 80% da população do mundo utiliza plantas medicinais no cuidado com o corpo e tratamento de doenças.


A diferença entre planta medicinal e fitoterapia reside na elaboração da planta para uma formulação especifica, o que caracteriza um fitoterápico. O termo fitoterapia consiste em uma pratica terapêutica que se usufruir das plantas medicinais em diferentes formas farmacêuticas. A plantas medicinal, cultivada ou silvestre, se caracteriza por uma planta com substancias químicas que podem ser utilizadas com fins terapêuticos. As plantas sintetizam compostos químicos a partir de nutrientes, da água e da luz que recebem. Os compostos produzidos pelas plantas segundo sua natureza química se dividem em:


· Metabolitos primários: carboidratos, aminoácidos, lipídeos, etc.

· Metabolitos secundários: alcaloides, saponinas, taninos, flavonoides, óleos essenciais, etc.


Na fitoterapia, diversas são as partes do vegetal (folhas, flores, raízes, caules e sementes) que são utilizadas a partir das necessidades desse organismo. Cada parte oferece uma química característica, podendo encontrar uma ampla diversidade de aplicações em uma única planta.


Pode-se dizer que seu uso é semelhante aos medicamentes alopáticas para tratamento de doença e sintomas, mas também contempla contextos de desequilíbrio de emoções e pensamentos, causadores da doença, promovendo equilíbrio energético. Nos últimos anos, a procura por terapias naturais aumentou muito, mas esses saberes pouco tem de novo, sendo um resgate de saberes tradicionais e ancestrais. Aqui no Brasil, esses saberes tiveram seu desenvolvimento junto a indígenas, negros e portugueses.

A Fitoterapia é uma opção segura, eficiente e natural para promoção de bem estar e restauração do equilíbrio do corpo.



Fitoterápico para melhora do sono:


Valeriana


Há muitas espécies de valeriana, mas aquela que aproveitamos para uso medicinal é a Valeriana officinalis, cuja parte do seu nome "officinalis" justamente indica que é uma planta oficial utilizada de forma medicinal.


Uma planta medicinal amplamente conhecida por suas propriedades calmantes e relaxantes, auxiliando a ter um sono reparador. Seu nome é proveniente do latim valere, que significa ter saúde. É reconhecida pela Organização Mundial da Saúde (OMS) no combate da insônia, como também do estresse, ansiedade, dores de cabeça, enxaqueca, cólicas menstruais e ataques de pânico. De sua raiz e rizoma são feitos suplementos, chás, cápsulas e comprimidos. A maravilha da manipulação oferece diferentes formas de administrar os medicamentos, encontrando a melhor forma que se adapta na rotina de cada um.


Contra indicações: Diversos são os benefícios da Valeriana, mas mesmo sendo um medicamento natural, é necessário nos atentar as recomendações de dosagem. De modo geral, a valeriana não apresenta toxicidade aguda, mas os alertas principais da valeriana são para pacientes hipersensíveis ou alérgicos à esta planta, bem como grávidas e lactantes. A superdosagem pode ter efeitos colaterais tais como náuseas, tonturas, vômitos, fadiga e indisposição gastrointestinal. Recomenda-se manter o consumo da valeriana dentro da dosagem recomendada e não misturar com bebidas alcoólicas ou outros medicamentos depressores.


As partes utilizadas são as raízes e seus principais componentes são:

  • Valepotriatos

  • Sesquiterpenos

  • Lignanas

Elas possuem ações:

  • Ansiolíticas

  • Soníferas

  • Sedativas

  • Anticonvulsivantes

De modo geral, as principais indicações de uso da Valeriana officinalis são:

  • Ansiedade

  • Estresse

  • Irritabilidade relacionada a menopausa

  • Problemas do sono

  • Depressão moderada



Crataegus


As plantas do gênero Crataegus estão incluídas na família Rosaceae, família que apresenta uma grande quantidade de plantas conhecidas, como árvores e arbustos. Crataegus é o nome referente a um gênero de plantas, popularmente é conhecida como pilriteiro, cuja funções no organismo podem ser variadas. Esse gênero abrange mais de 280 espécies espalhadas por diversos habitats nos continentes, geralmente ocupa espaços temperados do Hemisfério Norte. Algumas dessas, se encontram no Brasil. A principal espécie estudada para fins medicinais é Crataegus oxyacantha. As ações do crataegus se centram fundamentalmente em sua atividade tónico– cardíaca e menor efeito sedativos e espamolíticos.


Contra indicações: Alguns medicamentos podem ser potencializados com o uso de derivados da Crataegus. Como por exemplo medicamentos que promovem vasodilatação e diminuição da pressão arterial. Não é indicado para o uso em gestantes e lactantes.


As partes utilizadas são as flores e sumidades florais e seus principais componentes são:

· Flavonoides

· Procianidinas

· ácidos triterpênicos

· aminas


Elas possuem ações:

· Ansiolítica

· Antioxidante

· Melhora a circulação e digestão

· Fortalece os músculos cardíacos

· Efeito sedativo

· Reduz pressão arterial


De modo geral, as principais indicações de uso da Crataegus são:

· Atividade cardíaca

· Estresse

· Ansiedade

· Problemas digestivos

· Distúrbios de sono



Passiflora


Nativa do sul da América do Norte, Passiflora é o nome científico para a flor do maracujá, porém existem diversas espécies. Algumas são conhecidas pelas flores admiráveis, outras pelas frutas comestíveis e saborosas. Existem aproximadamente 400 espécies de Passiflora em todo mundo, muitas com as mesmas propriedades sedativas. Simbolicamente suas flores representam a crucificação de Cristo, de onde se origina o nome popular: flor da paixão, passiflora.


A Passiflora incarnata L. é uma planta medicinal conhecida pelos seus benefícios terapêuticos, sendo utilizada para tratamento de ansiedade, estresse e insônia.


Os alcaloides presentes na Passiflora incarnata L. são beta-carbolinas (derivados da serotonina e do triptofano) normalmente presentes no organismo. São inibidores da enzima monoaminoxidase (MAO), e apresentam ação agonista com os receptores GABA e benzodiazepínicos (Ghedira 2007).


Como ela aumenta o GABA, que é uma substância química no cérebro, a atividade de algumas células cerebrais que podem causar a ansiedade é reduzida e traz um relaxamento. Na menopausa o GABA é diminuído, sendo a Passiflora um fitoterápico interessante para administrar com proposito de reduzir os fogachos, que são conhecidas como ondas de calor.


O flavanoide crisina tem sido considerado importante para a ação depressora no sistema nervoso central (Kamaldeep 2004).


Com o seu efeito relaxante e calmante, diversos estudos confirmaram que ela é muito eficaz para promover um humor equilibrado e sem nenhum efeito colateral prejudicial. Ao contrário, de muitos medicamentos que possuem efeitos colaterais nocivos e incômodos, como tontura por exemplo. A passiflora pode ser uma alternativa por ser mais suave, inclusive ela pode ser combinada com outras ervas calmantes.


As partes utilizadas são as flores e seus principais componentes são:

· Alcaloides

· Flavonoides

· Glicosídeos cianogênicos

· Maracujina

· Taninos

· Resinas


Elas possuem ações:

· Calmante

· Anticonvulsivante

· Anti-inflamatória

· Sedativa

· Melhora o humor

· Alivia sintomas de abstinência


De modo geral, as principais indicações de uso da Passiflora são:

· Estresse

· Ansiedade

· Menopausa

· Depressão

· Transtorno Bipolar

· Insônia

· Transtorno de déficit de atenção

· Hiperatividade

· Tratamento de vícios

· Auxiliar no tratamento de hipertensão arterial



Griffonia


A Griffonia simplicifolia é uma planta que cresce no Oeste da África, como por exemplo, Gana e Togo. Em sua tradicional aplicação nestes países, suas folhas e suco podem ser usados para o tratamento de feridas e nefropatia, e também utilizada como enema e afrodisíaco, além de outras patologias. O 5-hidroxitriptofano é o principal componente ativo da semente da Griffonia simplicifolia, a qual é considerada fonte natural deste aminoácido e utilizada no tratamento de numerosos efeitos associados à Síndrome de Deficiência de Serotonina.


A princípio, a griffonia simplicifolia é usada com a finalidade de tratar problemas psicológicos que afetam o humor, como ansiedade, insônia e depressão. Isso se deve ao fato de estimular a presença do triptofano na corrente sanguínea. O triptofano age no cérebro, onde aumenta a síntese da serotonina (o “hormônio da felicidade”, é um neurotransmissor que regula o humor e as emoções) no sistema nervoso central. Não só, também atua como um afrodisíaco, ou seja, estimula a libido.


De modo geral a serotonina regula o humor, o sono, a atividade sexual, o apetite, o ritmo circadiano, as funções neuroendócrinas, temperatura corporal, sensibilidade à dor, atividade motora e funções cognitivas.


A suplementação diária com L-5-Hidroxitriptofano possui extensa e profunda aplicação no equilíbrio das desordens do SNC, podendo citar o sono, a memória, o aprendizado e a regulação da temperatura e do humor. Também auxilia no comportamento sexual, nas funções cardiovasculares, contrações musculares, na regulação endócrina e na depressão.


Contraindicações: Os efeitos secundários ocasionais relatados com o uso de 5-HTP incluem náuseas, vômitos e diarreia. Quando ocorrem, geralmente podem ser minimizados diminuindo a dosagem e depois aumentando gradualmente. Tomar o suplemento com as refeições também ajuda. Estudos relatam que o 5-HTP pode ter efeitos adicionais aos antidepressivos, onde se incluem a: fluoxetina, fluvoxamina, paroxetina, sertralina, amitriptilina, amoxapina, clomipramina, desipramina, doxepina, imipramina, nortriptilina, trimipramina, maprotilina, mirtazapina, trazodona, bupropiona, venlafaxina, nefazodona, citalopram, protriptilina, fenelzina, tranilcipromina, isocarboxazida. Isto pode alterar os efeitos destes medicamentos e, possivelmente, a dose necessária para o tratamento.


As partes utilizadas são as sementes e seus principais componentes são:

· 5-HTP


Elas possuem ações:

· Melhora disposição para prática de exercício

· minimiza a compulsão alimentar

· Melhora o humor

· Afrodisíaca

· Calmante


De modo geral, as principais indicações de uso da Griffonia são:

· Estresse

· Baixa libido

· Obesidade

· Depressão

· Distúrbios do sono

· Hiperatividade.

· Diarreia

· Vômitos

· Fibromialgia

· Dores de cabeça e enxaqueca



Mulungu