Polvilho de Lobeira - Auxiliar no Tratamento da Diabetes




Espécie amplamente distribuída pelo bioma Cerrado, sendo também encontrado em estados de outras regiões, como o Paraná, Rio de Janeiro, Pará e Amazonas. Torna-se frequente em áreas alteradas pelo homem, como beira de estradas.


Após a polinização e fecundação, os ovários transformam-se em frutos do tipo baga, globosas com até 20 cm de diâmetro, contendo polpa carnosa, com 300 a 500 sementes.


Sua frutificação é concentrada entre julho e janeiro. Multiplica-se facilmente por sementes, sendo comum encontrar plântulas em fezes de gado e lobo-guará.


Seus frutos representam até 50% da dieta alimentar do lobo-guará acreditando-se que tenham ação terapêutica contra o verme-gigante-dos-rins, que é muito frequente e geralmente fatal no lobo. Os frutos são utilizados na alimentação de populações tradicionais para o preparo de doces, geléias. Seu uso medicinal é amplamente difundido no bioma Cerrado.



Indicações e Ação Farmacológica


Popularmente os frutos da lobeira são utilizados por apresentarem efeitos, calmante, sedativo, antiepilético, antiespasmódico, e antiinflamatório. Entretanto, a principal utilização popular é para o tratamento do Diabetes Mellitus e da obesidade, reduzindo os níveis de colesterol.


Para o tratamento do Diabetes Mellitus e da redução de níveis de colesterol, utiliza-se o polvilho extraído da fruta da lobeira. O efeito hipoglicemiante causado pelo polvilho de lobeira ocorre devido a polissacarídeos de baixa absorção (gomas), que ativam o sistema endócrino liberando hormônios gastrointestinais, reduzindo assim os níveis de glicose sanguínea. Os alcalóides são os compostos mais encontrados na família solanácea e a eles são atribuídos diversos efeitos farmacológicos como analgésicos, narcóticos, estimulantes centrais, midriáticos, mióticos, hipertensores e hipotensores.



Toxicidade/Contraindicações


Não há registros de toxicidade dentro das dosagens usuais recomendadas.



Dosagem e Modo de Usar


-Pó:

  • Até 130 de glicemia uma cápsula (500 mg) após o café da manhã;

  • de 130 a 200 de glicemia uma cápsula (500 mg) após o café e outra após o jantar;

  • acima de 200 de glicemia três cápsulas (500 mg) por dia, uma após cada refeição.

A sua saúde em boas mãos.

Fonte: Material do Fornecedor - Florien

13.445 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo