top of page

Dica Saudável | Alimentação intuitiva para um equilíbrio integral | Receita Salada com molho de Açaí

Alimentação intuitiva para um equilíbrio integral

Receita Salada com molho de Açaí

A procura pela saúde começa pela alimentação e a necessidade de termos uma relação mais intima com o ato de comer. Comer é uma necessidade fisiológica e é questão de sobrevivência. É uma atividade saudável, prazerosa e não deveria estar nos trazendo tanta culpa. Na nossa atual cultura, obcecada por dietas, pela busca incansável por um corpo “perfeito” e pela perda de peso rápida, fácil e milagrosa, parece que se alimentar ficou algo complexo e perigoso. São muitas especulações como “pode” ou “não pode”, “engorda” ou “não engorda”, modismos e proibições. E este cenário cheio de restrições, onde nutrientes como o carboidrato e o glúten são tidos como vilões, não contribui para mudanças de comportamento duradouras ou para uma vida mais saudável. A obesidade, as doenças crônicas e os transtornos alimentares, em níveis cada vez maiores, evidenciam isto.


É importante termos a consciência dos alimentos como fonte medicinal e de combustível para nosso corpo, o nosso templo. A partir dessa consciência, percebemos que existem alimentos que tiram nossa energia, nos deixam cansados, tristes, pesados… E outros, que nos nutrem, deixam-nos dispostos, fortes, leves e com todos os órgãos em pleno funcionamento.


Assim como tudo no universo, cada tipo de alimento tem sua frequência energética. Assim, o que ingerimos tem influência direta nos níveis físico, mental, espiritual e emocional.


Quanto menos processos o alimento sofre, mais preservado ele fica, mais sua frequência será mantida. Por isso a importância de se ter uma fonte orgânica, de produtores locais, na qual o alimento não precisa sofrer com transportes, armazenamentos, preparos, entre outros, até chegar de fato à nossa mesa.


Já comentamos com aqui na Dica Saudável a importância da chamada “comida viva”. Quando os cozinhamos, os produtos também perdem parte de seus nutrientes e acabam sofrendo uma diminuição vibracional.


Hoje iremos conversar sobre a alimentação intuitiva e seus benefícios para uma vida mais saudável.



Alimentação intuitiva

A alimentação intuitiva ou alimentação consciente é uma filosofia de comer atento aos sinais do seu corpo. Ela não impõe diretrizes sobre o que ou quando comer, ou o que evitar. Em vez disso, ensina que você é a melhor pessoa – a única pessoa – a fazer essas escolhas. Comer como forma de auto cuidado, nutrindo seu corpo de alimentos vivos e cheios de nutrientes. Entender que nós somos os responsáveis pela saúde do nosso corpo, pela longevidade e força, pelas doenças e também pela cura.


É evitar o açúcar porque vicia, aumenta os níveis de glicose, causa envelhecimento precoce, diversas doenças neurológicas, baixa imunidade, tira a energia, entre muitos outros malefícios – mas, quando vier aquela TPM, permitir-se comer um pouco, sem culpa. Comer açucares saudáveis é uma opção mais equilibradas e que supre essa vontade sem agredir nosso corpo.

Para comer intuitivamente, você pode precisar reaprender como confiar em seu corpo. E para fazer isso, você precisa distinguir entre fome física e fome emocional.


>> Fome física: Este desejo biológico diz que seu corpo precisa repor nutrientes. Ele se constrói gradualmente e tem sinais diferentes, como um estômago roncando, fadiga ou irritabilidade. A fome física passa quando você come qualquer alimento.


>> Fome emocional: É impulsionada pela necessidade emocional. Tristeza, frustração, solidão e tédio são alguns dos sentimentos que podem criar desejos por alimentos (muitas vezes alimentos açucarados, ricos em gorduras hidrogenadas, carboidratos refinados, entre outros). Comer nestes casos pode provocar sentimento de culpa e raiva.


Observe o que sente ao procurar aprender mais sobre a reação do seu corpo a certos alimentos. Faça a você mesmo estas duas perguntas para se sentir melhor:


1. "Estou com fome?"

2. "O que estou sentindo?"


O que você está sentindo gera necessidade de comer? Ter consciência do que lhe dá vontade de comer pode ajudar a entender por que você come. Não há nada de errado com o que você sente. Procure não julgar seus sentimentos. Simplesmente aceite que certos sentimentos geram vontade de comer, e faça uma escolha. Escolha comer ou não comer. Se escolher comer, coma de forma consciente e sem se julgar.

“Escute o seu corpo, ele é mais esperto que você”


A nutricionista comportamental Lorena Magalhães nos mostra os benefícios de adotarmos uma alimentação mais consciente.O processo consiste em incorporar os 10 princípios descritos aqui:


1. Rejeitar a mentalidade da dieta


O indivíduo é o responsável por sua alimentação e é encorajado a conduzi-la de forma consciente, flexível e harmônica; as regras, a rigidez e o controle (comuns no curso das dietas, como contagem de calorias, horários definidos e imposição dos alimentos a serem consumidos) são desencorajados.


2. Honrar a fome